Domínio ou Controle das emoções?

Controle é uma represa! Represa
Domínio é reconhecer a existência de cheias e vazantes, embarcações flutuantes, irrigação.
Controle é preparar-se para aparar um golpe!
Domínio é velocidade e flexibilidade para evitá-lo.
Controle é norma, regra, expectativa!
Domínio é conhecimento seguro e profundo, objeto privilegiado de estudo, especialidade, experiência.

E os sentimentos, as emoções, como conduzir, como dominar?
Dominar sentimentos, não é negá-los, é conhecê-los, estudá-los. É reconhecê-los, respeitá-los… Sentimentos são voláteis e alimentam o fogo em nós, isso gera medo, da paixão, do tesão. Medo do amor. Pergunte a quem é experiente no assunto, se o medo evitou as sensações.

Somos de vidro podemos quebrar
O fogo há de nos temperar, por isso ele é necessário! Respeitar as forças da natureza (a natureza em nós) é preciso. Evitar? — Esqueça. Controlar? — É uma bola de neve rolando do alto da montanha mais íngreme!

DomínioPara dominar a paixão, primeiro é preciso avaliar essa sensação. A paixão é uma doença e deve ser tratada com tal, ela nos impede de conhecer o amor.  A paixão tem sido a arma mais cruel contra o passo maior em direção a felicidade. Pessoas apaixonadas, não querem conhecer nada além da paixão. Pensam ser esse, o sentimento maior existente.

A paixão nos consome, ardemos em vida, respiramos apenas para mantê-la acesa. Dirigimos toda a nossa capacidade, nossa força para o objeto da paixão. Quem está apaixonado atropela o que estiver em seu caminho para se manter assim. Nenhuma grandeza é respeitada.

Alguém definiu a paixão como: A amizade que se inverteu, ficou descendente, perdeu seus limites! Eu não discordo. Para mim, paixão, é a procura da satisfação de uma necessidade suprema em mim, e o outro é apenas o meio.
Outra definição que destaco por se provar constante nas análises:

Paixão é reconhecer no outro algo existente em mim, que eu adoro e ainda não consegui manifestar!

Observe, descubra o que há nessa pessoa que o torna refém. Apenas quando optamos por abrir mão dessa estonteante sensação ou dissecá-la, é que poderemos reconhecer e experimentar sensações mais edificantes, mais soberanas, que nos constroem e nos levam a um autoconhecimento, a uma real experimentação do que chamamos prazer. A sensação gloriosa de amar e seu complemento maior: tesão!

Anúncios

Uma resposta

  1. Caso a pesquisa de Marazziti sobre a neurobiologia da paixão, não seja suficiente para deixar claro o quanto a “paixão é estressante” para o ser humano, acesse esse espaço novamente. Como uma entusiasta da mutação, em vez de bater forte na “paixão”, começarei a relatar o que é “entusiasmo” e o quanto ele beneficia neurobiologicamente uma pessoa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: