Inquilinos

L. F. Veríssimo – 25/09/2005

Os argumentos conservacionistas teriam mais força se os humanos se reconhecessem como inquilinos do mundo, obrigados a prestar contas de cada arranhão no fim do contrato.
InquilinosFelizmente, você e eu não temos qualquer responsabilidade no funcionamento do mundo. Nenhum de nós precisa acordar cedo para acender as caldeiras, checar se a Terra está girando em torno do seu próprio eixo na velocidade adequada e se as estações se sucedem como devem. Como num prédio bem administrado, os serviços básicos do planeta são providenciados sem que se enxergue o síndico e, no caso, sem taxa de administração. Imagine se coubesse à humanidade, com sua conhecida tendência ao desleixo e à distração, manter a Terra na sua órbita e nos seus horários, ou se – como adorariam os ultraliberais – sua gerência fosse entregue a uma empresa privada, com o poder de suprimir correntes marítimas, encurtar dias ou noites e até mudar de galáxia conforme as conveniências do mercado, sujeita a erros de decisão, fraudes e, claro, falência.
É verdade que, mesmo sob a atual administração impessoal, o mundo tem defeitos, como a distribuição injusta de recursos e benefícios, que só podem ser atribuídos à incompetência, mas a responsabilidade não é nossa. A infra-estrutura já estava pronta quando nós chegamos. Apesar de tentativas elogiáveis, como a do deputado que queria emendar a lei da gravidade para atenuar os gastos da aviação com combustível, não há como… alterar as regras do seu funcionamento. Cabe a nós, isto sim, cuidar da manutenção da Terra. Todos os argumentos conservacionistas teriam mais força se conseguissem nos convencer de que somos inquilinos do mundo, obrigados a prestar contas de cada arranhão no fim do contrato. A escatologia cristã deveria substituir o Salvador que voltará para nos julgar por um Proprietário que virá retomar seu imóvel. O Juízo Final seria um minucioso inventário em que todos os estragos que fizemos na Terra seriam contabilizados – e cobrados.
Cadê a floresta que estava aqui? Valia uma fortuna.
– Este rio não está como eu o deixei…
– Estão faltando 117 espécies de animais…
A humanidade poderia tentar negociar e apontar as benfeitorias – monumentos, praças, jardins, áreas férteis onde outrora havia desertos – para compensar a devastação. O Proprietário não se impressionaria.
– Para que eu quero o Taj Mahal? Sete Quedas era muito mais bonito.
– E a catedral de Chartres? Fomos nós que fizemos. Aumentou o valor do terreno…
– Fiquem com todas as sua catedrais, represas, cidades e shoppings, quero o mundo de volta como eu o entreguei!
Não precisamos de uma mentalidade ecológica. Precisamos de uma mentalidade de locadores com medo de ter que pagar indenização.

Fonte

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: