Livre Arbítrio

O direito que se tem de não ter boa vontade

Texto: Convivendo com a má vontade no Cap. V – Evitando conflitos
Livro sobre a Inveja: ISBN 85-312-0911-0 de Nilton Bonder

Uma história relatada no Talmude (B.B. 7a) retrata uma situação perfeita para a nossa análise da má vontade:

Certa vez, um homem iniciou a construção de um muro em frente à janela de seu vizinho.
O vizinho protestou: “Você está bloqueando a luminosidade da minha casa”.
Este respondeu: ” Vou fechar então sua janela e abrir outra para você, acima do nível de meu muro”.
“Não”, disse o vizinho, “você vai estragar a minha parede se fizer isto”.
“Neste caso”, disse o homem, “vou demolir sua parede e reconstruí-la com uma janela acima do nível do meu muro.”
“Não, de maneira alguma”, revidou o vizinho rapidamente, “uma única parede nova numa casa antiga não vai ficar muito firme.”
“Nesse caso”, disse o homem, “deixe-me demolir toda a casa e ireir reconstruí-la com janelas acima do nível do meu muro.”
“E onde é que irei morar durante o tempo da construção?”, disse o vizinho pensativo.
“Eu alugo uma casa para você durante este período”, disse o homem.
“Ah… não. Eu não quero me dar ao trabalho”, suspirou o vizinho.
O Rabi Hama disse: “O vizinho tem todo o direito legal de impedir a construção do muro”.

O vizinho não tem nenhuma obrigação de se dar ao trabalho.
Perceber isso é fundamental, porque nos permite visualizar a situação do ponto de vista do outro. (…) Somos martelados pela constante repetição da idéia de que “fizemos de tudo, mas o camarada não quis de jeito nenhum… e o que custava?”
Na verdade, nenhum de nós pode avaliar quanto custa, e esta é a questão. Ninguém pode mensurar o trabalho que daria ao vizinho esta mudança. Suas peculiaridades e idiossincrasias não são necessariamente as mesmas daquele que o pressiona (…)

Esse texto marcou para mim uma mudança de paradigma.
Convivi com a má vontade, e me entristecia. Essa pergunta martelava também na minha cabeça – o que custa?
O direito do outro discordar, não colaborar, está implícito no livre arbítrio.
Enquanto não consegui respeitar essa lei, como um princípio inviolável, sofri muito.
Perceber que a escolha do outro era, para ele, a melhor que poderia manifestar, mesmo que fosse a pior para mim, foi uma bandagem asséptica em ferida ardente. Pensava eu, que o fato de alguém discordar, se devia a minha péssima argumentação. Foi dureza entender que nada tinha a ver comigo, nesse momento, eu era apenas uma insignificante criatura diante de uma escolha pessoal e intransferível, o direito cósmico ao livre arbítrio.

Anúncios

2 Respostas

  1. Adorei a história! Faz pensar demais… Respeitar a decisão do outro, sobretudo quando nos contraria diretamente, requer uma humildade, muitas vezes, de difícil acesso.
    Obrigada e abraço!

  2. Estou grata com a reflexão, Carol.
    É difícil distinguir o que está na alçada do direito, ou, na da escolha. Dou graças a alguns iluminados que claream esses acessos, como dizes. Bjs!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: