Prioridades

Li um artigo ótimo sobre panelas e nós as mulheres, claro que amei o post. Ele desperta sentidos e lembranças do que vivencio e compartilho com minhas irmãs-de-tempo-de-vida. panela-coracao-le-creuset

A energia da mulher maravilha sumiu
Ser determinada e optar em realizar apenas na área em que se é mais eficaz; dar-se o direito de aproveitar parte desse tempo para o que der prazer… (Prazer, ou nesse caso, o que esperam que uma pessoa que já passou dos seus trinta anos pode obter.) O mais complicado é a perda financeira, e a “quase” certeza de que não haverá renda alternativa, já que a sociedade nos avalia só como consumidoras.

Não ter auxiliares para o que não se pode mais fazer, junto e talvez pior, nos papos carregados de sentimentos, é o movimento familiar migrar para outros espaços depois de uma proximidade íntima e extrema. E ainda, ter todo o espaço/tempo do mundo em um momento que já não se conta com essa possibilidade.

O que se consegue realizar para conquistar carinho e proximidade
Prepare-se para enfrentar o juiz mais severo do mundo: você. Ou seja, as senhoras de idade perfeccionistas. A perfeição de antigamente é considerada mais um conceito obsoleto na atualidade, uma exigência excessiva e classificada como perfeccionismo. Ninguém espera ser surpreendido, mas cada uma de nós gostaria de ver o brilho de admiração no olhar de quem amamos.

Eu tenho muitos planos que foram empurrados para quando houvesse tempo e para mim é chegado o precioso tempo. Mas, observo que o link com o presente se distancia das mulheres mais antigas e é acompanhado da pergunta: Por que ainda estou aqui e o que me compete?

Arrisco dizer que compete, me parece, um aprendizado em aprofundar-se nas áreas em que fomos rasas, quando dedicadas exclusivamente a promover e incentivar a integração de nossa família na convivência social. Compete aprendizados que passaram ao largo de nossas existências. E, quem sabe, preparar uma estrutura base, para os próximos que chegarão onde estamos. “O que gostaríamos de ter encontrado pronto para esse momento? Onde em outras culturas há essa preparação para o contato consigo? Podemos inventar novas tradições?” São as perguntas que dançam em minha mente.

Não sou, no alto de todas as idades, prioridade para ninguém,
inclusive para mim, o que é uma lástima.

Superar a transição desse despojamento social quanto a valores e carinho, despojar-se de todas as supostas obrigações/imposições que estavam sobre os ombros e colocar-se como prioridade, parece uma tarefa gigantesca e tra-ba-lho-sa. Parece tão assustadora que facilmente pode ser emocionalmente tomada como uma das maiores injustiças sociais. Ter que achar uma “ocupação”, achar como “se divertir” e parar de importunar a vida dos outros (a maior motivação emprestada à tarefa). Então, percebo que o que menos motiva é estar destituída de plateia. A plateia possivelmente punitiva, provocativa e utilitarista. Mas era conhecida, sabíamos o que esperar. Agora no alto da idade à beira do abismo… só o desconhecimento total. É o momento em que a sociedade me obriga, aliás incentiva, ao despojamento de tudo o que era considerado valor agregado, palco seguro às vezes, e muitas regado a “ovos e tomates”.

Nossos jovens, orgulho de nossas existências, estão lutando por suas vidas. Isso é real. Eles abriram mão de nosso auxílio, querem ser eles mesmos, como nós, às vezes bem antes da idade deles. Nós, aqueles que não permitimos aos pais e aos sogros interferir. Se não queríamos nossas mães e pais, sogros e sogras, dando-pitacos em nossos lares, agora somos mães/pais/sogros/sogras.

Do alto de nossas vidas, eu e minhas amigas percebemos: não teremos o descanso de uma cadeira de balanço, os cuidados com nossos tricôs, atendidas por neta ou neto ao comando de sua mãe que também estaria a nossa disposição e nem sei se queremos.

Do que sei, não terei o que é conhecido, e aos 60 anos sei que aqueles que estão aos 70 receberam uma previsão de vida de até mais 20 anos, aproximadamente. o.O – Como conduzir a minha vida?

Está claro o motivo da desorientação
Não é possível, para mim, procurar o que me “distraia” e deixar a vida me surpreender diariamente. E é sombria uma vida cuja agenda em sua maior parte é consultas médicas. O que posso fazer com os próximos 20 ou 30 anos? É um planejamento de longo prazo e, para não perder a perspectiva, é bom que eu comece a fazê-lo.

Links que estimulam o debate
A utopia da melhor idadeLeandro Karnal

Velhice para que te queroJorge Forbes

Estamos preparados individualmente e socialmente para a velhice? – Alexandre Kalache

Anúncios

2 Respostas

  1. Genuínas reflexões! Longe de nos entregarmos ao desespero, penso que o momento é perfeito para buscar novos significados, especialmente sobre o que colocamos na panela e a quem servimos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: