Princípios

CONTATO
Contatar o outro requer acesso ao código, script do verbo comunicar

Estamos diante de uma questão das mais delicadas no momento, a comunicação global. Desconhecemos a cultura de cada um, desconhecemos seus valores, suas crenças e desconhecemos principalmente seus limites personais. Porém, há códigos de conduta aceitos de forma quase universal.

  • Aceitar-se: A procura de um espaço de existência, um espaço em que a pessoa possa existir tal com é
    • Carl Rogers afirma: “A pessoa tem a capacidade de, em um ambiente de total empatia, contatar o que há de melhor em si.” Com este pesquisador nasce a  TCC – terapia centrada no cliente.
    • André Rochais segue este princípio e desenvolve técnicas de aplicação para trabalho semelhante, conhecido entre nós como: PRH – personalidade e relações humanas.
    • Dale Carnegie dentro deste conceito, estabelece suas regras básicas para as Relações Humanas. Pesquisadores que acreditam: “somos em essência, lá nas profundezas de nosso ser, dotados, capacitados para tudo o que é bom.”
    • Portanto, no mais profundo de nós, há luz. Somos em nosso “rochedo de ser” essencialmente bons. Precisamos de espaço, alguma técnica, mas principalmente da aceitação de nossa condição humana.
  • Aceitar-se: Análise da lista
  • Aceitar-se: A dúvida
  • Nada de guerra ao coração
    • Agredimos nosso fígado e culpamos o coração
      Que alimentos obrigamos nosso fígado a digerir?

      … A rigor, o chinês identifica cinco diferentes expressões do TAI CHI – Madeira, Fogo, Terra, Metal e Água. Em razão desse simbolismo arquetípico, Fígado, Baço-Pâncreas, Pulmão e Rins, expressam no corpo a dinâmica cósmica, psíquicamente representada por afetos e emoções chaves. Nessa trama interativa, o Coração – sede do grande SHEN, a síntese do psiquismo – ocupa o topo hierárquico. E, embora o nível de consciência resulte das interações dos cinco órgãos-sede do SHEN, se pode falar da atividade do Fígado, representante do movimento germinativo da Fase Madeira, como uma função relativamente decisiva na condução dos comportamentos. …
      Leia o texto na íntegra: – A alquimia da raiva de Juracy Cançado
    • Livre Arbítrio
      • O direito que se tem de não ter boa vontade
        Texto: Convivendo com a má vontade Cap. V – Evitando conflitos – Livro sobre a Inveja: ISBN 85-312-0911-0 – Nilton Bonder.
        Uma história relatada no Talmude (B.B. 7a) retrata uma situação perfeita para a análise da má vontade. Esse texto marcou para mim uma mudança de paradigma. Convivi com a má vontade, e me entristecia.
        A pergunta: — O que custa?, martelava em minha cabeça. O direito do outro discordar, não colaborar, está implícito no livre arbítrio. Enquanto não consegui respeitar essa lei, como um princípio inviolável, sofri muito. Perceber que a escolha do outro era, para ele, a melhor que poderia manifestar, mesmo que fosse a pior para mim, foi uma bandagem asséptica em ferida ardente.Pensava eu, que o fato de alguém discordar, se devia a minha péssima argumentação. Foi dureza entender que nada tinha a ver comigo, nesse momento, eu era apenas uma insignificante criatura diante de uma escolha pessoal e intransferível, o direito cósmico ao livre arbítrio.

        Clique no link “Livre Arbítrio” acima, vale conferir!

  • Anúncios

    Deixe um comentário

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logotipo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

    Foto do Google+

    Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

    Conectando a %s

    %d blogueiros gostam disto: