Espelho / Além do espelho

Ser querida, amada por seu pai, é uma graça divina.

pai e filhaMinha mãe conta que a primeira vez que meu pai nos viu, seu olhar foi direto para mim, e eu virei a cabeça e dei a ele, um sorriso de orelha a orelha. Como se nos reencontrássemos. Diz ela, não lembrar como fui parar na palma da mão dele, registrou apenas que rodava comigo como se dançasse.  Parecia, aos presentes, que esquecera de tudo ao redor.

A lembrança  me comove! Como amores verdadeiros são bons e fazem tanto bem à vida.

“A querida do papai”! Senti-me assim durante toda a minha vida. E o amor, indiscutível de meu pai, fez de mim uma pessoa que nunca esteve só. Se, me recolho ao meu interior, lá tem um pai carinhoso que sorri alegremente com a minha aproximação. E assim, sei que sou bem-vinda e que ele se sente premiado com a minha presença. Na verdade, verdade… é que eu sou a pessoa premiada, com a graça da atenção de um homem generoso.

Essa música do João Nogueira, cantada por Diogo Nogueira, me levou direto à história da minha chegada ao seio da família.

“… e viveram felizes para sempre”

Uma sentença incansavelmente ouvida por todas as mulheres durante toda a vida, desde a infância, em filmes, novelas, livros… uma sentença que pressupõe (ou determina) que todas têm o mesmo sonho e que, sem um príncipe que as salve, não há como ser feliz.

Nossa Cinderela se vê sufocada dentro de um sonho que ela não Cinderela mudou de ideiaplanejou, mas ao qual se submeteu por acreditar que seria o melhor para sua vida, afinal, “o que mais uma mulher pode querer”? Mas, enfim surge o dia em que ela conhece a fada do Chega! e descobre que uma mulher pode – e quer – muito mais.

Ela, então, decide descalçar os sapatinhos de cristal, descer do salto alto e partir em uma agradável viagem na qual descobrirá um mundo muito maior que a faz sentir-se completa pela primeira vez em sua vida.

Uma história com uma narrativa de micro-contos, portanto serve, também, para quem gosta de síntese.

Link > Livraria Cultura

Assunto: LITERATURA ESTRANGEIRA – CONTOS E CRÔNICAS